Avistei uma estrela cadente no céu, fiz um pedido e tudo mudou…

Nos conhecemos na escola, não foi amor à primeira vista, tampouco, à segunda vista, precisou de incontáveis horas de conversas, discussões sobre futebol e músicas dos Charlie Brown Jr. 

O fato de não me apaixonar por ele de início, foi o que tornou tudo surpreendente para mim, ele se apaixonou primeiro e acho que foi isso que me despertou da inércia em que me encontrava. Não foi a forma de como me tratava ou sorria sempre que me via, foi todos os pequenos gestos de bondade e paixão que ele dispôs por mim. As conversas até tarde depois da aula, e continuadas no MSN e músicas tocadas com seu violão. 

Ainda me lembro da primeira música  que tocou para mim, era Wake me Up when september ends, acho que aquele foi o exato momento em que me apaixonei, e digo isso, não pelo fato de ter aprendido a tocar violão por causa dele ou de ter tido aulas sobre marcas de carros e futebol com meu irmão e primos, e sim pela maneira de como me sentia perto dele.

Fazíamos planos para o futuro, alguns anos depois, tudo terminou, mas meu amor não, permaneceu forte, como se tudo fosse apenas um hiatos, o silêncio  entre nós dois, mesmo estudando na mesma sala, era sanado pelas trocas de olhares. Ama-lo me destruiu, mas de certa forma me lembrou de que meu coração era capaz de amar, e acredite, da maneira mas pura que pude. 

Eu não vou dizer das inúmeras músicas que escrevi para ele esperando que nunca as ouvisse, não escrevi filmes com ele, afinal nossa história daria apenas um curta, o tempo não nos possibilitou cozinhar juntos e que não aprendi nenhuma palavra difícil com ele, acho que ele aprendeu algo do tipo “pneumoultramicroscopiossilivulcanoconiótico”, a única palavra difícil que eu sabia na época.

Mas apesar de não ter durado muito, foi suficiente, foi doce, gentil e mesmo anos depois quando olho para ele, sinto que nada mudou, nada… 

Obrigada Gregório Duvivier, não foi transtorno algum. 

Ele se foi 


Ela o olhou partir como se sua vida estivesse se esvaíndo aos poucos do seu corpo.

Ela sabia que não poderia voltar atrás, ele precisava ir … 

Pensou que talvez o destino o trouxesse de volta, se agarrou a isso, porém no fundo ela sabia, que ele partiu para sempre, apenas as memórias ficarão com ela para serem acionadas sempre que bater aquela saudade.

Ele não olhou para trás, pois não queria ver o rosto daquela garota que sempre amou, ele estava morrendo por dentro, mas precisava partir.

Ele não tinha certeza do que seria daqui para frente a sua vida sem ela, mas tinha que tentar.

Os dois seguiram caminhos opostos, na linha tênue da vida eles se encontrariam de algum jeito, mas ambos não sabiam o futuro e apenas viveram, sobreviveram com as lembranças deixadas de um época feliz. 

Devolva- me se puder 

“- mas eu meio que emprestei meu coração para alguém e ele ainda não me devolveu- disse a ele. -você sabe que ele nunca devolverá, não sabe? – seus olhos caíram para o chão – porque quando um cara fica com um coração como o seu, ele mantém essa merda para sempre. Sempre.”- trecho do livro Sr.Daniels 

  
Eu poderia dizer que ele vai te devolver algum dia, mas estaria mentindo se dissesse isso. Eu poderia dizer que de algum jeito seu coração vai voltar a ser seu, mas também estaria mentindo. 

Ele não o devolverá e você não irá esquecê-lo, não completamente, sempre haverá algo que te fará lembrar dele, mesmo que seja algo ínfimo no seu dia, a lembrança daquela pessoa volta e com ela a saudade, a sensação de que poderia ser diferente. 

Não pense que já não testei, não pense que sou leiga ao falar desse assunto, a cada respiração lembro dele, e na tentativa de parar, prendo minha respiração em vão. 

Você não parará de amá-lo um só instante, mas irá se acostumar com seu coração pela metade, e virão outros, com certeza, mas você irá compará-los a ele e perceberá que seu amor é incomparável, ele é incomparável. Não tente substituí-lo, tente amar, tente …  Tente amar de outro jeito, ache um novo tipo de amor e ame, mas saiba que não será o mesmo, você nunca se sentirá tão completo como antes, mas quem sabe o remendo não seja melhor? 

Há muito tempo eu deixei alguém entrar em meu coração e ele saiu sem dizer adeus, acho que talvez esse seja seu caso, meu caro leitor, mas não se preocupe, o que tenho a falar é que dói, você cai e quebra, mas estou aqui para provar que ninguém nunca morreu de um coração quebrado, estou aqui para provar que eles podem ser colados com fita e mesmo que mal feito, você sobreviverá, porque afinal o melhor tipo de amor é o próprio, e nesses momentos, sua melhor opção é ele. 

Caminhos

E todos os caminhos me levaram até aqui… Não sou a mesma de antes, tudo mudou. A vida me trouxe até o presente e me fez o que eu sou agora.    

 Andei por tantas vias, presenciei tantos sonhos caídos, mas de pé aqui estou, destinada a continuar seguindo meu caminho, como o vento segue seu percurso, soprando sempre a diante, sem ser parado por nada. 

Pessoas chegaram, andaram ao meu lado por um tempo e depois seguiram seu próprio caminho, outras apenas acenaram para mim, mas tem aquelas, aquelas que continuaram comigo, andando lado a lado, sempre me dizendo para seguir em frente, pois a próxima parada seria mais difícil do que a última.

E com todos os caminhos, ruas, vielas, avenidas e rodovias, cheguei aqui, descalça e sem saber o que esperar, mas se os caminhos me trouxeram até aqui é porque o melhor final ele guardou para mim… 

  
Direta, impulsiva, retraída, introvertida, antissocial, sem sentimentos, ou apenas fria. Eu posso ser muitas coisas quando quero, mas o fato de ser uma garota fria é involuntário. 

Passei por muitas situações em minha vida que me fizeram ser assim, e ser fria se tornou uma forma de autoproteção que é ativada toda vez que sinto meus sentimentos e emoções em perigo. 

Penso que ninguém poderá quebrar esse gelo em meu coração, por muitas vezes não quis ser assim, adoraria ser aquela garota doce, de coração mole que se joga em uma paixão sem pensar duas vezes, mas quando penso em minhas cicatrizes e no sofrimento em que passei, o gelo aparece e então tudo em mim fica frio. 

  
As pessoas ao meu redor não entendem o porquê de não acreditar no amor, mas não é que não acredite nele … Só não acho que virá em um cavalo branco e tudo será perfeito. 

No fundo acho que só queria alguém que lutasse por mim, não precisa ser perfeito, só precisa ser intenso o suficiente para quebrar toda essa frieza de uma garota que desacreditou  nas pessoas e no amor que elas poderiam sentir pelas outras. 

Minha mãe sempre me dar o exemplo do amor dela com meu pai, e sempre rebato que é diferente, que poucos podem ter esse tipo de amor, aquele em que a pessoa esteja disposta em só enxergar a outra e viver para sempre ao lado dela. Admito que subestimo os homens e o amor que sentem, admito que muitas vezes brinco com isso. 

Mas a verdade é que se prático a lei de não me apegar a alguém, é por medo, quero resguardar-me de um sofrimento que acredito ser pior que um tiro no peito. Eu sempre fui aquele tipo de garota sincera, que sempre adorou ficar solteira e curtir a vida sem preocupações, mas sei que haverá um futuro que estarei cansada de ficar sozinha e temo que seja tarde demais, temo que não acharei “ele”. 

Coloquei uma armadura no meu coração, e nunca ninguém conseguiu quebra-lá, e se no passado alguém a quebrou, ela cresceu ainda mais forte. 

O que eu fiz? 

Chego em casa e jogo minha mochila de qualquer jeito na cama, me sento nela e coloco minhas mãos no rosto, o que eu fiz? 

  
Tentei pensar por algum momento em uma saída e nada me veio em mente, como consertar esse erro? 

Se pudesse voltar no tempo, talvez me pouparia de uma consciência pesada agora, ou desse sentimento tão doloroso de culpa. Por quê não pensei? Por quê fui tão impulsiva? 

De repente, meus olhos umedeceram, pensei nas consequencias, pensei no que meu erro resultaria para a outra pessoa, sei que desculpas não vão reparar, será que podemos apenas recomeçar? 

Procurei achar algo bom no final disso tudo, não dizem que podemos aprender com os erros? Quem sabe essa frase não sirva para mim?

Mas então tudo parece desmoronar novamente, meu erro é lembrado todos os dias, e isso me assombra a cada vez que me deparo com ele. 

Nenhuma palavra poderá consertar um erro, mas quem sabe poderá amenizar? 

O que eu fiz? Deito em minha cama em meio aos devaneios dos meus erros e adormeço entorpecida por eles. 

 

Lost 

 
 Por muito tempo me senti perdida, deslocada, sem saber o que fazer… Sentia tudo se esvaindo da minha vida, todos os meus sonhos e objetivos, de nada estavam valendo naquele momento. 
Eu quis fugir de tudo aquilo, de todas as responsabilidade e pressões, mas então fui me perdendo cada vez mais, cada vez mais entrei fundo no labirinto. Entrei de cabeça, com o objetivo de esquecer todos os problemas, todos os sentimentos que me aflingiam, como se fosse fácil. 

  
Estava tão perdida no meu mundo, que achei que nunca mais me encontraria, que permaneceria assim por um bom tempo, e de fato foi, um longo tempo, mas então uma pontinha de esperança surgiu, mesmo que pequena, me agarrei a ela como se dependesse da minha vida, e aquela pontinha me fez ver uma saída. 
Então eu corri, corri até sair do labirinto em que me encontrava, senti-me viva novamente, acreditei novamente. As paredes do labirinto já não me cercavam mais, estava começando a me achar em meio ao caos. 
Fugir já não era a solução, porém ficar era… Então eu voltei, voltei para meus problemas, voltei para minhas responsabilidades, porque aquela esperança tinha se instalado dentro de mim, e foi nela que acreditei. Não me via mais perdida, achei algo que me fez mudar e isso valia a pena. 
Precisei me perder e passar pelo labirinto, para finalmente me encontrar… 

Nuvem de tags